sexta-feira, 26 de junho de 2009

Adeus criatura(?)

Bom... eu nunca fui e nem nunca serei um fã de música Pop. Acho chato demais, primeiro porque nada se cria tudo se copia, segundo porque não sou uma pessoa que dá importancia a letras e nem vê beleza em coreografias, terceiro pois a maioria dos artistas são empurrados pela mídia guela abaixo e quarto porque eu primo pela técnica dos instrumentistas e dos belos instrumentais na hora de escolher uma trilha sonora, e no caso da música Pop isso poucas vezes existe.

Porém, ainda na minha opinião, nada é uma verdade absoluta e esse é o caso de Michael Jackson. Não, nunca fui fã dele, não tenho discos dele e nem muito menos senti a mínima vontade de vê-lo ao vivo, grande parte também por sua aparência horrenda. Mas Michael era um grande músico, podia parecer que era apenas fruto de puro marketing, mas não, pelo menos em um primeiro momento não era. Era como eu disse, um músico, que como qualquer outro músico assinava suas composições e ao longo do tempo desenvolveu um estilo próprio copiado por todos as demais crias desse gênero, goste você ou não.

É dele o disco que mais vendeu na história, Thriller de 1982 simplesmente 104 milhões de cópias adquiridas ao redor do globo. E isso em 2006, de lá pra cá e de agora pro fim do ano isso certamente vai aumentar. Como já disse muitas vezes aqui, para mim números pouco representam, mas vender mais que todo mundo na história tem seus méritos, não dá pra ser só caça-níqueis tem que ter ao menos alguma qualidade.

Enfim, sua vida pessoal é o que menos importa hoje, o fato é que na minha opinião perdeu-se ontem um dos maiores ícones da música de todos os tempos. Aqui vão dois vídeos de Michael:

Beat It do Thriller, com a participação ilústre de ninguém menos que Eddie Van Halen, o rei das duas mãos no belo solo de guitarra do som.

Give Into Me. Essa mais recente, Jackson já era um ariano, mas com outra grande participação, Slash e seu primoroso feeling.

Está ai pra quem quiser ver. Vale a pena as vezes ampliarmos um pouco mais nossos horizontes músicais e nos livrarmos de etiquetas pelo menos por um momento.

2 comentários:

Marcos Antônio Filho disse...

é MJ foi um grande cantor, embora há pelo mens 15 anos ele aparecia mais pelas suas bizarrices do que pelo seu talento...grande músicas, mas o clip de beat it é tosco!!!!rs

Bruno Santos disse...

Gostei da análise, Gabriel. Se a tempos a música ficou em segundo plano por causa de problemas judiciais, financeiros, de saúde. Eu também não sou grande apreciador, mas é legal ver o talento dele desde os tempos de Jackson 5 e depois o fenômeno na carreira solo.
O tempo não é para comparações e sim reconhecer a importância do cara na história da música.
Abraço.