quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

The Boss is back


Se eu tivesse a oportunidade perguntaria agora, "o que lhe fez parar?" certamente isso não foi de sua livre espontânea vontade, teve-lhe ao pé do ouvido alguém lhe persuadindo, a mulher talvez, filhos, enfim, não era ele, aquele que vimos na entrevista coletiva ao fim do GP de Itália em 2006 anúnciando que se retiraria das pistas permanentemente. Não, não era ele, se fosse não faria o que fez agora.

Não assinaria um contrato de simplesmente 3 anos com um time sério como a Mercedes, que vem pra ganhar, que vem com dinheiro para financiar grandes conquistas não apenas a participação de seus carros no mundial como fizeram Toyota, Honda e Jaguar, se não quisesse voltar a ser aquele imbatível alemão destruidor de tudo e todos que ficavam entre ele e as vitórias.

No auge de seus 40 anos, 41 fará dia 3 de Janeiro, eis que vira oficial, Michael Schumacher é novamete piloto de F1. O que será que esse cara quer provar? não sei mesmo, tem todos os recordes relevantes da F1, conquistou tudo, não sobrou nada, o que quer? quebrar o recorde de GPs de Barrichello?(aff...) Não acho que ele ligue pra isso. Quer saír por cima? Acima de tudo que já passou pela F1 ele já está. Quer simplesmente vencer de novo? Ao que parece essa é a hipótese mais plausível. Agora fica claro aquilo que até há um ano, ou em isso, se discutia quando o mesmo caíu de moto na Espanha, o cara tem o espírito de guerreiro competidor espalhado por todo o seu corpo heptacampeão.

Enfim, Assim fechamos as 3 grandes com Button e Hamilton na McLaren, ex-flecha de prata, Massa e Alonso na Ferrari, que ainda continua sendo pra mim a maior favorita ao título, e Rosberg e Schumacher (quem diria!) na atual frecha de prata a Mercedes Petronas GP. Será que Schummy vai fazer o mesmo que fez com Brundle, Herbert, Irvine e Barrichello, com o pequeno Nico Rosberg? Se entrar em seu caminho, tentará ao menos.

Deixei o Petronas ali em cima pra destacar por fim, novamente, que para esse projeto dinheiro pra "encher as burras" não faltará, e sobrará. E com Ross Brawn atrás da prancheta difícilmente não sairá um grande carro, então pessoal, olho no alemão (de novo!).

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

A boa e velha Indy

Sinceramente, assistindo as últimas provas da Indy estou sentindo muita saudade dos velhos tempos. Dos anos 90, quando assistiamos à Al Unser, Jr., Gil de Ferran, André Ribeiro, Bobby Rahal, Alessandro Zanardi, Jimmy Vasser, Robby Gordon, Michael Andretti, Adrian Fernandez, Scott Pruett, Greg Moore... etc.

Era uma outra época, pilotos talentosos, business não falava tão alto, tinhamos pistas mais técnicas, e mais importante, boas corridas, algo que anda em falta hoje em dia (ainda não desceu na minha garganta aquela corrida em Homestead). Sou só eu ou essas corridas atuais da Indy parecem mais vale-tudo arranjado?

Enfim, ofereço-lhes duas chegadas épicas do ano de 1995, duas provas que, por sinal, foram seguidas. Respectivamente, uma em Cleveland e a outra em Michigan. Curtam!



sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Ponto a ponto


Todo mundo está dando suas opiniões quanto ao novo sistema de pontos da F1. Hoje acho que vou declarar uma coisa inédita nesses tempos de "pensador" automobilístico. Eu não tenho uma opinião formada sobre isso.

Pode dar errado por um lado, já que no meu ver estão banalizando demais os pontos por prova, já que antigamente pontuar, mesmo que fazendo 1 pontinho, numa mísera corrida em uma carreira inteira era um degrau a mais, ou seja, via-se o piloto em outro patamar, diferente daquele que não havia pontuado. E isso ao que parece pode se perder um pouco com esse novo sistema, assim como os valores estatísticos da história, mas é verdade que isso é bem relativo.

E não venham me dizer que os tempos são outros, no quesito de pilotos serem mais burocráticos. Deixe alguém errar na frente de alguém, que seja numa disputa de 14° lugar, pra ver o que acontece. Pilotos querem ganhar, mais do que tudo, e se chegaram a F1 foi por essa sede de resultados. Todos que estão lá, pagantes ou não, correm há tempo suficiente pra aquilo deixar de ser uma simples brincadeira.

Tem também o fato, ainda no "dar errado", de que o campeonato pode ser disputado por bem menos gente, ou então nem ser disputado, imaginem só se essa fosse a pontuação vigente nesse ano. Button teria ao fim do GP da Turquia, última que venceu nesse ano, 162,5 pontos, o que além de ser um número estratoférico pra F1, seria uma vantagem ainda maior para Barrichello o 2° na época que teria 82 pontos, apenas!

Mas, pode dar certo por outro lado também, já que as quebras são muito menos frequentes principalmente de 2007 pra cá. E tem ainda aquela história do número regulamentar de câmbios e motores por ano, ou seja, está no regulamento que se quebrar vai se dar mal. Pra isso os pontos extras viriam bem a calhar, já que as equipes novas precisam de incentivo para continuar a investir na F1, para que não corramos mas o risco de termos um grid tão magro como quase tivemos esse ano. Fora que, além dessa parte esportiva, vale grana também.

Fora ainda o fato de termos no ano que vem 26 carros, assim se a pontuação ficar só entre 8 primeiros ficaria mais difícil ainda de algumas equipes saírem do zero

Se tivermos, também hipotéticamente, um campeonato de forças niveladas com vários pilotos tendo a possibilidade de vencer seria melhor, já que a vitória seria valorizda em mais 3 pontos.

Enfim. depois desses dados e desses argumentos, é difícil para eu saber qual o meu preferido. O antigo deixava a briga na frente mais acirrada mas ou mesmo tempo é menos populista, e o novo vice-versa, isso se não tivermos um equilíbrio grande de forças, o que tenho minhas dúvidas se irá acontecer, pois NÃO estamos mais nos anos 60 e 70.

Pensando bem, acho que isso só foi botado em questão, além do número de equipes novas alinhando no Bahrein no ano que vem, o fato de Felipe Massa com mais vitórias não ter ganho o título de 2008. Sim, foi só apartir dalí que começou a se discutir uma possível mudança no sistema de pontos. Pelo jeito para FIA não é interessante ter um campeão com menos vitórias que um dos respectivos adversários, e é isso que ela quer evitar com ese novo sistema.

Enfim, não tenho opinião, até ver carro na pista, primeiros GPs, assim sendo, primeiras impressões. Sem idéia...

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Dezembro, 14 anos de idade

É. Dia 8 de dezembro de 2004. Eis a data da qual eu ainda não sabia, mas ficaria marcada pelo resto da minha vida. Não, nada comigo, apenas com alguém que viria a ser importante pra mim no futuro próximo.

Dia 9 de Dezembro de 2004, mais ou menos 9:45 ou 9:50 da manhã. Eu acordava naquele momento. Acordava talvez num dos melhores ânimos, afinal não sabia o que eram recuperações àquela época e também porque talvez tenha sido o ano mais legal no colégio até a data em questão, mal sabia eu que o de sempre também. Mas enfim, voltando, liguei eu a TV na MTV, coisa que fazia muito por aqueles tempos. Mesmo que minhas bandas favoritas quase nunca fossem temas de programas, eu adorava matar tempo vendo o canal. Naquele dia dei-me de cara com o extinto programa "Riff" (igualzinho ao Lab, mas feito apenas de Metal) e pus me a assistir.

Era fim de programa, acabara de passar um vídeo clipe do qual não havia gostado, nem lembro de quem era, só lembro que não gostei. Depois disso veio o último clipe. O programa de tão "nas coxas" que era feito não tinha nem apresentador. Alguém escrevia os textos, em um fundo de tela (que lembrava muito a arte do primeiro disco do Sabbath) e você tinha que ler se quisesse saber de alguma curiosidade ou justificativa do clipe em questão.

Lembro de ter lido algo como homenagem, não sei, ainda estava meio sonado. Logo em seguida começa um som esquisito a primeira audição. Pensei, "Que estranho, tecno misturado com Metal". A música foi tocando... e eu me afeiçoando gradativamente. Principalmente ao refrão, cantado rápido, por um cara agitado e de moicano, que além disso fazia uma voz do mal. Vi as cabeças balançando, vi também como aquilo era completamente diferente do estava acostumado, e além disso cativante a mim. A linha de guitarra, algo como uma marreta... enfim pirei.

Logo após o som, vi eu de que banda se tratava. Pensei na hora, " hmmm, acho que esse som não vai fazer muito sucesso aqui em casa se eu começar a ouvir pra valer" vale dizer que sou de família religiosa, que já achava uma heresia ouvir Nirvana.

Mais tarde naquele dia fiquei sabendo que o responsável por aquela "marreta" que me fez acordar de manhã havia morrido noite passada, dia 8. Nem lembro de que a mulher, que apresentava o também extinto "Disk", tinha dito. Só lembro do morreu.

Enfim. Nunca tinha ouvido nada igual àquilo, era como quebrar regras, era algo fantástico e que não caía em mesmice rítmica, um problema de VÁRIAS bandas do estilo Metal. Mas como não conhecia acabei deixando cair no esquecimento. A única coisa que lembrei durante muito tempo foi uma frase, aliás, nem isso, um pedaço do refrão em que dizia-se "down below".

Algum tempo depois, precisamente em Junho de 2005, numa época que vivia eu entre Pearl Jam's, Red Hot's (Chili Peppers... durh), Rage Against's (The Machine... durhh (2)) eis que surge um amigo que possuia todos os discos daquela banda. E que inclusive duvidara que eu conhecesse algo sobre a banda em questão, achou que eu fosse mais um poserzinho. Disse pra que eu dissesse o nome de uma música pra cetificar-se de que falava com alguém que entendia, e eu disse...

Ele me emprestou o disco título da música, dei a ele, nessa troca, se bem me lembro um dos meus DVD's do Rage Against the Machine. Tá, levei pra casa, esperei após o almoço, para que todos fossem se "atarefar" para colocar o CD com a porta do quarto fechada.

O que viria a escutar naqueles minutos seguintes mudaria minha vida, acredito eu, pra sempre. Sim, lá se ia a primeira faixa, já conhecida, pelo clipe, e relembrada na hora, pulei para segunda descobri que já havia escutado em algum lugar, não sabia ao certo, terceira, e uma arma de entrada me fazia pensar melhor sobre meus gostos vigêntes, quarta, "belo instrumental!", pensei, quinta uma baladinha, que não me empolgava muito, sexta, algo com "Motherfucker" era dito antes de que se conte um tempo pra uma das músicas mais ultrajantes que havia me prestado a ouvir, sétima, eu sabia que a partir dali "marretas e britadeiras" metafóricas fariam parte dos meus timbres favoritos de guitarra, oitava, via ali, mais do mesmo, mas com um início de som que me fazia pular sozinho, nona, um clima, que de tão sombrio, mais parecia o de um filme de terror, décima, algo que parecia um hard turbinado (só depois viria a saber do passado obscuro dos indivíduos em questão), décima primeira, outra baladinha, mas que me empolgou mais do que a quinta, estranhamente. E a cereja, a décima segunda faixa que até hoje me faltam palavras para descrever o que achei dos riffs de entrada, e do solo feito por aquele que tinha morrido.

Bastou isso para que o Pantera (tchã-nã) sempre figurasse, ou melhor, estrelasse como uma das minhas bandas favoritas de todos os tempos. Local no qual se encontra até hoje. E Dimebag Darrell, o "homem marreta", fosse até hoje um tutor guitarrístico para este que vos escreve. Tão admirado por mim, que hoje, 5 anos após sua morte, 4 anos, 364 dias e sei lá o que mais, que tive meu primeiro contato com sua música, eu escrevo este post.

Não quero caír em clichês (embora já tenha caído em vários mais acima) do tipo "obrigado grande mestre" ou "adeus mestre", ou então, "descanse em paz grande homem". Sei lá, prefiro deixar o mistério no ar, prefiro continuar vivendo a fantasia de tê-lo vivo a cada vez que coloco seus CDs no player, e além disso, também prefiro, mais do que dizer por palavras secas, mostrar a vocês o que me mudou desde então:



Salve, Salve!

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

A marmelada do século


Esperei tudo se esclarecer, esperei que houvesse base firme o suficiente para postar sobre isso. É algo muito grave, muito mais grave que qualquer ordem de equipe comum, que qualquer toque proposital. Não que a manipulação de resultados, algo condenável, não estivessem presentes aí, pelo contrário mas o que Nelsinho Piquet e Renault fizeram no GP de Cingapura de 2008 foi ludibriar o fã de F1, foi enganar a estatística e a história, foi fazer inclusive os outros pilotos de bobos, pilotos que também queriam ganhar (afinal desconheço um que entre para perder). Algo que até pode ter decidido o título do ano passado.


Nelsinho não é um coitado, longe disso, e se esse argumento era usado para ele permanecer na Renault por mais tempo, aí já não tenho mais dúvidas, Nelsinho é um fraco. Alguém que se predispõe a bater um carro, provocando um Safety Car para ajudar um companheiro de equipe carimba na sua cabeça uma atestado de pouca inteligência e fraqueza psicologica.


E foi essa a desculpinha de que se encontrava psicologicamente abalado que ele usou... reforça mais ainda essa tese. Quer saber, Nelsinho, faça o que quiser da sua vida nos próximos anos, seja o que for vai demorar (se um dia voltar) a ter o meu respeito e a minha admiração como piloto "de sucesso", pois pra mim pilotos de F1 são homens dignos de admiração e esse status para mim você perdeu.


Rubinho aceitou fazer esse jogo na Áustria 2002, sim aceitou, mas ao menos teve o mínimo (quase nulo) caráter de expor isso a todos, nem isso Nelsinho fez. Mas isso nem vem ao caso.


Briatore e Symonds não são santos, já fizeram muitas iguais a essa juntos, leiam-se os casos de 94. Mas agora o negócio parece mais grave, posso me enganar, mas acho que dessa vez ao menos Briatore não sobrevive, pois é uma figura de grande incidência nesse tipo de confusão.


Eles negam tudo e vão continuar negando, mas de duas provas contundentes eles não podem se esconder, da câmera on-board do carro de Nelsinho, com som ambiente, e a telemetria do carro. Se ele, Nelsinho, diz que fez, e que qualquer engenheiro conseguiria detectar, o gráfico da telemetria deve sair bem discrepante.


Não acredito que Alonso não saiba dessa maracutaia. O que quer um piloto largando de 15º largar mais leve que todos numa pista de rua? ganhar a prova? será que ele não conversou essa tática com ninguém? duvído que não... pra mim é cúmplice.


O fato é que depois da crítica vem a decepção, e Nelsinho tenho certeza que deixou muitas pessoas acima de tudo decepcionadas com esse ato que tem seus requintes de covardia. E ainda tendo o nome que tem.

domingo, 30 de agosto de 2009

Um caso de amor...


... é assim que se pode traduzir em palavras a boa relação de Kimi Raikkonen com Spa Francorchamps. Não foi atoa que ganhou desde 2004 a exceção de 2008, e claro 2006 quando não houve corida. Uma relação tal qual Senna com Mônaco, Schumacher com Magny Cours, Prost com Jacarepaguá, enfim nesse hall também pode se colocar Kimi com a pista de Spa.

O único porém de sua prova na minha opinião foi ter usado a área de escape da La Source de forma desonesta, afinal, se aquilo pudesse ser ultilizado não teriam colocado aquela zebra para dividir o escape do leito carroçavel, oras. É por isso que detesto essas áreas de escape de asfalto (necessárias, claro, em alguns lugares ex: Blanchimont) e seu uso abusivo.

Mas pra mim, o grande nome do dia foi Fisichella. Sua performance foi algo incrível e inimaginavel até para um de seus maiores torcedores desde a primeira passagem na Jordan... sim, o cidadão que vos fala. Creio hoje que vimos a melhor atuação de Giancarlo na F1 com apenas um único erro que pode ser explicado pela falta de experiência (muito embora Fisi tenha 226 GPs na bagagem) na hora de relargar depois do acidente na largada.

Mas não é algo para se colocar demérito algum nessa façanha de colocar a Force India na pole position e chegar aos primeiros pontos do time no 2º lugar da prova. E não foi segurando ninguém atrás, mas sim dando até um certo calor na Ferrari de Kimi Raikkonen. Bom resultado para Fisichella que adiciona troféus pela primeira vez desde o GP do Japão de 2006 a sua estante.

Do 2º para trás a corrida também teve varios ingredientes. Desde as confusões na primeira volta que tiraram de combate dois dos protagonistas da prova, os ingleses Button e Hamilton, até as disputas no meio de corrida usando as táticas de box. Foi uma corrida boa em suma.

A Brawn teve um dia para esquecer, Barrichello pela 3ª vez nesse ano engasgou na hora da partida e caiu pra último, mas depois fez uma boa corrida de recuperação e ainda chegou fumando o motor Mercedes no fim da prova.
Button encontra se em seu inferno astral. Não tem mais um bom carro e não consegue andar mais tão bem, além do que teve azar hoje abandonando. Mesmo assim tem gordura para ganhar o caneco ainda, na minha opinião.

Boa corrida de Vettel que fez por onde com um carro regulado para o 2º setor fazendo varias ultrapassagens nos pits, além da volta mais rápida da prova.

A destacar também a corrida da BMW 4º e 5º para Kubica e Heidfeld, parece que ao anunciarem a saí da encontraram o caminho para andar bem.

Mais uma coisa, agora falando de algo que foi dito durante a transmissão da Globo. Se o que diseram sobre Nelsinho Piquet e Renault for verdade cabeças vão rolar coisas vão acontecere o destino da Renault e de Flávio Briatore na F1 estão condenados. Além do que Nelsão jamais poderá falar mal de outro piloto brasileiro na vida... a ver o que acontece aí.

sábado, 29 de agosto de 2009

It's a Miracle!


O improvável acontece... sim... Giancarlo Fisichella é o pole position para o GP da Bélgica a ser disputado amanhã em 44 voltas, que ao que deu a entender hoje, serão muito emocionantes. Quem vê esse resultado pode imaginar que o treino tenha sido disputado de baixo de chuva gradativa, ou chove-pára, mas não, a pista esteve seca durante a sessão inteira. Impressionante ver Button em 14º, Hamilton 12º, Vettel 8º e Webber 9º. Um grid que se assemelha bastante ao grid daquela corrida fantástica que tivemos lá na Bélgica em 1995, só pela coincidência a corrida já promete bastante.


Falando da Force India. Evidente, Fisichella é o carro mais leve de todos, mas é preciso lembrar que ele não foi mal nem no Q2 e nem no Q3, ou seja, pode surpreender bastante. É só ver que Sutil foi 11º a frente das duas McLarens e de Button. Ao que parece análisando esses fatos: a Force India não está tão boba não. Prefiro não usar minha bola de cristal, sei lá, mas consigo ver a melhor corrida do time em sua curta história, e em um momento crucial.


A Toyota melhorou bastante de Valência pra cá, o que é um casamento (ou não) de um projeto com um tipo de circuito? Fez Trulli com o melhor tempo do fim de semana, mas 2º no grid e Glock em um bom 7º lugar. Tem tudo para fazer grande prova.


Naturalmente a vitória deve ir para as mãos de Barrichello, não há 100% de certeza como sempre, mas tudo caminha para a segunda consecutiva do brasileiro. Tem a sua frente uma Force India, uma Toyota e uma BMW. Em tese é o virtual vencedor da prova, porém Spa é Spa, mesmo não tendo pista molhada, leia-se o treino de hoje.


Menção honrosa para BMW e principalmente para Heidfeld. Que era também alguém em que poucos levavam fé e aí está, 3º lugar no grid, muito bom. Kubica foi bem também e larga em 5º. Foi eles anunciarem o fim das atividades que o carro começou a melhorar, só lembrando que Kubica arrancou no último pit stop da prova em Valência o 8º lugar de Webber.


Alguém que pode estar escondendo um pouco sua face pode ser a Red Bull, andou mal para o que se esperava no treino. Os motores quebralhões da Renault certamente são a resposta, a pergunta que fica é: qual será o comportamento de Webber e Vettel na prova? irão pra cima gastando o motor em um circuito que exige muito dos mesmos, ou farão uma corrida por pódio e pontos? resposta amanhã.


Uma coisinha pode ser respondida até com alguma antecedência, Hamilton, Button, Alonso e Kovalainen ficaram no Q2, em tese a hora em que todos vão de tanque vazio para fazer seus melhores tempos no fim de semana e não conseguiram passar para o Q3. Esse GP está me cheirando resultado surpreendente... se fosse você não perderia!

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

OFF: Prestação de contas / 1 ano de blog!

Não... o blog não acabou. E também não pretendo acabar com ele, pelo menos não por enquanto. Gosto muito desse espaço e acho que tem tudo a ver comigo, afinal são minhas maiores paixões unidas, F1 de berço e música de uns 6 ou 7 anos pra cá, reunidas.

O que acontece é que acabei ficando um tempinho ausente, as vezes por culpa das tarefas (esse ano não está sendo muito bom para mim), as vezes por culpa de quem usa esse computador do qual teclo para vocês, e as vezes por minha causa mesmo, por querer descansar ou então por estar pura e simplesmente desencanado (tocando ou não minha guitarra linda), acontece oras...

É com desgosto que informo que a média de postagens vai continuar baixa. Estou em ano de vestibular, e devo admitir que naturalmente não faz parte dos meus planos um ano de cursinho. Quero entrar em uma faculdade (razoavel, pelo menos...) já para o ano que vem.

O blog me abriu a visão de que gosto de escrever. Acho que me dou bem com palavras, não o bastante para ser um poeta, mas o suficiente para traduzir a realidade nelas de acordo com meu ponto de vista. Falando de forma clara, o blog me abriu a visão de que posso me dar bem fazendo jornalismo, e é para isso que vou prestar o vestibular.

Eu nunca havia ligado os pontos dos meus interesses, mas agora que os liguei acho que eles convergem para isso. Ainda estou longe de ser um grande escritor mas acredito, se estudar para tal, poder me tornar um. Jornalismo é complicado sei disso, mesmo assim me encontro motivado para viver disso no futuro, quem sabe, afinal é algo de que gosto.

Bom, gostaria de agradecer a todos que apoiaram, comentaram, discordaram, leram e entraram aqui no blog. Gostaria de agradecer especialmente aos amigos que fiz na "blogosfera" por meio desse modesto espaço. Ron Groo (acho que falo por todos quando digo que é o herói da "blogosfera"), Marcos Antônio (grande parceiro, gente boa pacas, além de ser o Zé Simão da blogosfera automobilistica), Leandrus (salve salve nosso comércio clandestino de co... err... se eu disser me matam), Speeder_76 (afinal de contas adorei aquela entrevista!) entre tantos outros com que também dialoguei nesse tempo. Muito Obrigado!!!

Vamos aos números desse ano+mês de blog:
Postagens: 258 (com essa)
*Visitas (únicas): 6007
Visitas (total): 9303
Média de visitas por dia: 27
Paises visitantes: 55
Por Semana: 187
(*Poderia ter mais não fosse o outro contador ter dado pau em 2600 e não ter ficado tanto tempo sem um)

Por fim... eu sou um garimpeiro de imagens dos blogs e da internet a fora, e dando uma organizada aqui resolvi postar umas legais aqui:





A proposito, já que isso me parece uma festa, a música não pode faltar:











terça-feira, 4 de agosto de 2009

Assento ejetor


Não vou falar sobre mais do mesmo, Nelsinho Piquet está fora da Renault, uma notícia que não choca nem deixa boqueaberto, era questão de tempo com os resultados que o brasileiro apresentava até a presente data era mais que um fato que isso iria acontecer uma hora, e essa hora finalmente chegou.

Claro, Nelsinho tem lá sua (bela) porcentagem de culpa nisso, errou e errou muito nesse ano e meio no volante da Renault. Há casos em que não há desculpa, como na China esse ano e Cingapura ano passado, Nelsinho foi muito mal.

Briatore apenas usou para o demitir a aquilo que todos víamos na pista, falta de performance de Piquetzito tanto em corridas como em treinos. Principalmente ano passado Nelsinho ficou devendo muito. Digo principalmente pois nesse ano já era visível que Briatore não gostava muito da idéia de ter Nelsinho no time por um motivo muito claro e históricamente um motivo que motivou varias demissões na Renault e na Benetton, a igualdade nos equipamentos.

Brundle, Herbert, Trulli e agora Nelsinho foram vítimas dessa política de Briatore, que tem agora, e sempre teve na cabeça dele um primeiro piloto para o time. Em primeiro caso Schumacher e em segundo Alonso, tinham os melhores equipamentos e todas as prioridades e atenções.

Isso não é uma defesa incondicional ao mau desempenho Nelsinho Piquet mas é um álibe com uma força consíderavel. Afinal competir na F1 já faz muito tempo que não se resume em apenas correr, existe também o ambiente dentro time, que afinal é o que te dá o suporte na pista. Nelsinho junto com mais esses 3 pilotos que citei em certa altura não tinham o apoio da equipe comandada por Briatore.

Conpreensível por agora, simplesmente não dá para ver na Renault dois pilotos com equipamentos iguais, sendo que Alonso é tão cotado para ir para Ferrari e o time francês está na sua pior fase desde 2002. Nelsinho sofreu como eu acho que Grosjean, ou outro piloto que vier, poderam sofrer na Renault, pois será cobrado por resultados imediatos sendo estreante que é, e sem qualquer possibilidade e hipótese de andar no nível de Fernando Alonso. Ou seja: "Ande bem, mas não tanto assim." . Briatore quer segurar Fernando e também quer que o segundo carro pontue e que o piloto não reclame. A situação é complicada, a pior coisa para um piloto, e principalmente alguém que precise mostrar resultados como um estreiante.




O que faz perceber que o segundo assento do time de Briatore históricamente é um "assento ejetor" já que sempre houveram preferências. Não o condeno por isso, afinal ele descobriu grandes talentos e é um chefe de equipe vencedor

Para Nelsinho resta a torcida para que consiga uma vaga em algum time novo para o ano que vem e quem sabe ter uma segunda chance. A primeira já foi e mesmo com o argumento que usei aqui não deixará de ser esperado por um lado se ele não conseguir ter uma nova chance pelo currículo magro

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Atualizando-se: Schummy vem, BMW vai


Schumacher é o subtituto de Felipe Massa na Ferrari número 3. Certamente das coisas mais bizarras (no bom sentido, claro) que já vi. Aliás, de algo serviram aquelas aventuras motociclisticas (as vezes mal sucedidas) do alemão, vai saber qual seria a forma física de Schumacher não estivesse todo esse tempo andando de moto. E de outra coisa, essa aventura até agora mal explicada por motivos plausíveis, também pode ter servido para manter bem acesa e viva a chama do estinto de Michael Schumacher, vencer a qualquer custo e nunca se dar por derrotado, assim ele conseguiu o que conseguiu na F1.

Eis que surge uma oportunidade, aí está ele, pronto para guiar e voltar aos cockpits. Certamente ninguém melhor que o melhor piloto de todos os tempos segundo as estatísticas da F1 para pilotar. Agora a Renault até pode continuar suspensa, Alonso não será nem de longe o nome do fim de semana e/ou chamariz para vender ingressos para o GP, aliás, quem esse cara mesmo? Sei lá, mas de uma coisa eu sei, esse GP de Valência está simplesmente imperdível!!


A BMW anuncia sua saída da F1. Novidade? não diria isso, mas isso era algo que esperaria primeiramente da Toyota e da Renault, que ameaçam muito mais pegar o boné. Revelada aí a grande falta de comprometimento dessas motadoras com o automobilismo, vêem essas corridas apenas como vitríne.


Momento oportuno analisar os números da BMW desde 2006, que tal? Em 2006 a BMW foi 5ª colocada entre os contrutores com dois pódios (Heidfeld terceiro na Hungria e Kubica 3º na Itália) como melhores resultados. Uma evolução já que em 2005 a Sauber, time de quem havia adquirido o espólio, havia conquistado apenas como melhor resultado um modestíssimo e circunstâncial 4º lugar com Massa no Canadá.



2007 foi o ano que a marca deixou de figurar e apareceu de vez. Heidfeld era melhor que Kubica em boa parte da temporada. Os melhores resultados foram dois 2º lugares no Canadá e na Hungria de Heidfeld. Kubica pouco fez além de protagonizar uma das batidas mais plásticas da F1. Segundo lugar no geral depois da desclassificação da McLaren.

Em 2008 foi o grande ano da equipe, fizeram dobradinha no Canadá, Kubica chegou a ser 1º no campeonato de pilotos e BMW também chegou a ser 1º no campeonato de construtores. Tudo ia de vento em poupa, BMW foi 3º no geral.

Mas aí 2009 chegou, trazendo como novidade o KERS. A BMW foi a equipe que mais desenvolveu o dispositivo, além também de ser a pioneira. Porém no início do ano revelou-se que ter um bom KERS não favorecia o desempenho do carro. Não tanto quanto um difusor duplo como o da Brawn. A BMW parou no tempo não conseguiu acompanhar o ritmo de evolução das outras equipes assim começou a andar para trás, e nessa semana anúnciou sua retirada.

Por quê disse tudo isso? Pois as montadoras não vêem a F1 como esporte, e sim como negócio. São como uma criança mimada que não sabe perder, ao primeiro sinal de muito investimento e pouco resultado pulam fora do barco.

Enfim... não é uma surpresa, Max Mosley sempre alertou que as montadoras eram perigosas para o esporte, ainda bem que essa saída vem em um ano em que várias equipes almejam entrar na F1. Adeus BMW e que venha alguém com menos dinheiro por um lado, mas com muito mais comprometimento do outro.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Ciamo con te!

Segue o video que a Sky Sports italiana fez para Felipe Massa com alguns pilotos deixando suas mensagens de força, veja:


Legal ver que os pilotos também são gente as vezes, normalmente debaixo do capacete parecem mais máquinas. Legal também ver Giancarlo Fisichella nesse video, já que segundo algumas pessoas eles não são muito amigos. Mais legal ainda é que é do italiano companheiro de Massa em 2004 na Sauber a maior mensagem.

Enfim boas notícias do estado de Felipe. Ele já não está mais entubado, consegue falar e responder coerentemente as perguntas que os médicos fazem. A recuperação está sendo mais rápida que a esperada, e ao que tudo indica ele não vai ter sequelas tanto na cabeça, quanto no corpo que funciona normalmente com sua força natural.

Ele ainda precisa passar por alguns exames no que diz respeito a visão mas segundo o que acabou de passar na Rede Globo os médicos estão otimistas. Quando ele melhorar desse estado atual irá ser tranferido para Paris já que lá a Família conhece mais gente e inclusive ficaria hospedada na casa de Jean Todt.

Graças a Deus! E que fique bom logo.

domingo, 26 de julho de 2009

Outro absurdo


Para quem viu a corrida um dos pontos altos foi a perda da roda de Fernando Alonso depois de sua primeira parada de pit. Perda da roda graças a um erro de um mecânico como acontece as vezes em corridas de F1, afinal as paradas para reabastecimento são constântes. Excluir alguém de um GP por isso é demais, inexplicavel por motivos plausíveis.

A Renault evidentimente não queria perder tempo na parada de box, afinal ela foi bem prematura. Enfim, como diz aquele velho ditado: "a pressa é inimiga da perfeição." Deu no que deu. É acidente de box, assim como levar a mangueira dos pits, assim como ser liberado pelo mecânico chefe antes da hora (quantas vezes já vimos isso...), acontece.

Lembro no que consiste essa punição absurda. O argumento usado pelo fiscais é o de que mandaram Alonso para pista sabendo do perigo que ele corria, ou seja, segundo os fiscais o mandaram Fernando para a pista para ver a roda se soltar. Isso faz algum sentido? Fernando vinha em 1º!

Ainda acho que não vai ficar assim, a Renault vai correr em Valência. Afinal Alonso é o dono da casa, já imaginou o quão vazias estaram as arquibancadas caso ele não corra? e ainda num ano em que as arquibancadas cheias são raras. Ainda acho que a razão vence a "fantasia de justiça" dos fiscais.

Só mais uma observação: Briatore ter ido embora enquanto Nelsinho ainda corria quer dizer no mínimo que eles não devem se olhar mais na cara.

A volta da verdade?


Hoje também vou dividir o post em 2, um falando da corrida outro da punição absurda dada pela FIA a Renault.

Lewis Hamilton volta a vencer, 10ª vitória na carreira a 1ª no ano. Quem diria, há duas corridas atrás ele lutava para não chegar em último, e agora convencendo ele consegue uma bela vitória, que quem sabe pode marcar a volta da nova/velha F1. Acende novamente sua chama no campeonato mundial na disputa pelo título de "The best of the rest" com Kimi Raikkonen, Nico Rosberg e Felipe Massa. Já não vejo mais Trulli, e nem Alonso com chances de levar esse "caneco" pra casa. A disputa deve ficar entre esses pilotos.

A McLaren fechou o bom dia com Kovalainen em 5º, grande resultado para o time inglês, e 1ª vitória de Whitmarsh no comando da equipe.

2º lugar, mas também com uma excelênte corrida, o geladão Kimi Raikkonen. Com muita propriedade, pois ganhou a posição de Webber no box e não só ficou em 2º como abriu do australiano da Red Bull. Por aí dá pra ver como poderia ser boa a corrida de Felipe Massa na Hungria.

Já começo a achar que o Kers pode ser uma bela carta na manga das equipes que o desenvolveram. Agora teremos Valência e Spa-Francorchamps, duas pistas de velocidade média mais altas do que Hungaroring. Teóricamente os pilotos com Kers podem ter vantagem maior ainda, é bom ficar ligado...

A Red Bull decepcionou, Vettel mesmo tendo a desculpa de largar do lado par da pista, largou muito mal e quebrou depois ainda. Sebastian precisa controlar-se mais e concentrar-se mais na minha opinião, mas ainda assim é rápido. Webber teve um desempenho bem inconstânte, largou bem, e quando todos achavam que tinha a corrida na mão, levou uma ultrapassagem de Hamilton na 5º volta e depois não conseguiu mais chegar no inglês, mesmo assim ficou em 3º e com a volta mais rápida.

A Brawn vai de mal a pior, Jenson Button claramente insatisfeito com o time vive sei inferno astral, uma 7ª posição com um gosto ácido para alguém que vê seu campeonato a cada dia mais ameaçado. Será que o dinheiro acabou?

Barrichello poderia pontuar, mas caiu na largada de 12º para 18º. Apartir daí apenas algo muito anormal para colocá-lo nos pontos, não houve e ele foi 10º.

Resalto aqui a corrida de dois pilotos, um Nico Rosberg, que já virou habituê da zona de pontos, um belo 4º lugar. E Timo Glock que foi muito bem economizando seus pneus na corrida, chegou num belo 6º lugar depois de alinhar em 13º.

Alonso não tinha nenhuma gasolina em seu tanque como o previsto depois do treino de ontem. sofreu depois de um pit mal feito pela Renault mas disso falo depois. Nelsinho poderia ter pontuado mas teve um meio de corrida fraco, 12º lugar para ele.

Jaiminho (ou Raiminho, para os chatos de plantão), chegou ao fim da prova, o que foi muito bom para ele, era o que tinha que fazer o que esperavamos que fizesse. Vejamos, ele pode ter alguma qualidade, mas não acho que deveria correr o resto do ano, se fosse eu Franz Tost tentaria colocá-lo em alguma equipe da GP2 para testá-lo. Ainda me parece um tanto precoce para começar a correr sériamente na F1.

3 semanas de férias e o campeonato pega fogo (quem diria? é por isso que adooooooro F1). Vejamos se Ferrari e McLaren só foram fogo de palha ou vieram para ficar. Esse campeonato mais parece uma metáforfose ambulânte.

sábado, 25 de julho de 2009

Bullet in the Head


O que falar do acidente de Felipe Massa? Certamente uma das cenas mais fortes que eu já presenciei na F1. Ainda não se sabe o que saiu do carro de Barrichello, uma hipótese possa ser um amortecedor, já que Rubinho diz ter perdido completamente o controle do carro, inclusive em retas. Outra pode ser um pedaço de escapamento, pois tive a impressão de outros pedaços terem saído do carro de Barrichello uma curva antes, levando uma possível degradação da parte de trás da carenagem. Enfim são as hipóteses que vêm a minha cabeça, ainda não sabemos o que houve.

O impacto no capacete de Massa foi tal, que o piloto perdeu os sentidos e segundo o gráfico da FIA e o próprio som de seu motor começou a acelerar e freiar ao mesmo tempo. É nítido que ele mexe no volante antes de o pedaço acertar seu capacete. Enfim agora é preciso esperar.

Felipe deve que ser sedado antes de ser levado ao hospital, já que segundo as fontes da Ferrari e da FIA estava muito agitado. Barrichello disse que ele tinha um corte na cabeça. Isso tudo leva a crer que dificilmente Massa irá largar amanhã. Por precaução é melhor poupá-lo pois uma batida de cabeça não é algo que possa ser relevado clinicamente falando.

Rapidamente lembrando agora de acidentes parecidos na história da F1, tivemos o de Helmut Marko no GP da França de 1972 quando uma pedra levantada pelo carro de Ronnie Peterson bateu eu seu capacete e o cegou de um olho.

O mais recente que consigo lembrar foi o de Tom Pryce na Africa do Sul 1977 quando seu companheiro de equipe Renzo Zorzi quebrou de um lado do circuito e o carro começou a pegar fogo, desse modo dois bombeiros tentaram atravessar a pista, um conseguiu mas o outro não, sendo atropelado por Pryce que morreu instantâneamente com um instintor de incêndio na cabeça. Logo após ocorreu algo muito parecido com houve com Massa hoje, o galês morto dentro do carro continuou acelerando, assim como Felipe, e na curva ao fim da reta bateu no carro de Jacques Laffite também o tirando da prova. O bombeiro também morreu e foi indêntificado por exclusão, já que seu corpo ficou irreconhecivel após a batida.

E isso ainda tendo ainda em mente a fatalidade que matou o filho de John Surtees no domingo passado. Duas fatalidades parecidas em menos de uma semana.

Lembrando também, últimas vezes que pilotos desistiram de provaa por motivos de acidente em treino, salvo engano, Giancarlo Fisichella no GP da França de 2002 quando perdeu o bico e bateu forte na saída curva 3, Ralph Firman também na Hungria na mesma curva da batida de Massa em 2003 e Ralf Schumacher nos EUA em 2005.
Enfim, isso é algo que não estamos acostumados a ver, tomara que nada de mais grave tenha ocorrido com Massa e que ele possa continuar essa boa campanha que vem fazendo nesse ano. Para nós, fãs, fica um baque grande.

A tempo: Massa não corre amanhã segundo comunicado da Ferrari.

Será mesmo?

Antes de tudo: Vou dividir o post sobre o treino em 2. Um falando do qualifying em si e outro falando do acidente de Felipe Massa.

Alonso conquista sua primeira pole desde o GP da Itália de 2007. Será mesmo? o sistema de computação da FOM caiu, já ouvi dizer que existem comissários responsáveis pela cronometragem manual de cada carro nesses casos, porém Alonso na pole é um tanto estranho, já que jamais esteve bem nos treinos em Hungaroring. Enfim, Alonso, numa pole marcada por uma cena curiosíssima no fim do treino no qual ele perguntava para seus colegas que tempo haviam marcado. Mas outra duvída persiste caso a pole for pra valer: será que Alonso consegue completar a volta de apresentação sem parar nos boxes?


Red Bulls em 2º e 3º com Vettel e Webber. Tem grandes chances de levar mais uma dobradinha pra casa e reduzir ainda mais a diferença para a Brawn. Eu diria que Webber tem mais chances de pular a frente que Vettel, já que larga do lado impar da pista que históricamente é mais limpo e emborrachado. lembram de Massa no ano passado?


A Brawn pode sofrer um baque gigante depois de hoje. Além de ter Button em 8º e Barrichello em 13º, pode receber alguma multa ou aviso mais incisivo da FIA pelo que houve com o carro de Barrichello soltando uma peça no meio de sua volta rápida no Q2. Ainda não enguli o fato de Button ter feito apenas uma volta rápida tendo saído apenas no final do Q3. Algo deve ter acontecido dentro dos boxes da Brawn durante o Q3 já que vários comissários da FIA estavam lá dentro. A coisa pode feder...


McLarens bem em comparação ao esperado. Hamilton 4º e Kovalainen 6º. Parece que esse carro só consegue bons resultados em pistas travadas, pelo menos por ora.


A Williams também pode fazer grande corrida, seus dois carros largam entre os 10 primeiros e os dois do lado impar. Sendo Hungaroring do jeito que é, filas indianas sem possibilidade de ultrapassagem, uma boa largada pode ser a chave para uma boa corrida. Colocaria Nico com candidato a pódio.


Nelsinho muito mal, 15º. No início parecia que iria convencer mas não, mais uma vez ficou para trás (e bote atrás) do companheiro Fernando Alonso.


Por fim o estreiante Alguersuari acabou sendo feito refém de um problema em seu STR no fim do Q1. Não acho q faria muito melhor que o 20º lugar, mas tem esse alíbe de dizer que foi vítima d euma falha do carro. Buemi mostrando a evolução da STR foi 11°.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Head Ache: as opiniões do Asno [4]


Os treinos livres de hoje em Budapeste não fugiram da regra do resto do ano, ou McLarens ou Rosberg na ponta, e nada melhor para ilustrar o que foi esse ano ás sextas-feiras do que os dois juntos hoje na frente. Dobradinha da McLaren com Rosberg em 3º, nada que vá causar alvoroço pois treinos de sexta-feira são sempre assim, não dizem absolutamente nada.

O que motiva esse post vem lá do fundo da tabela de classificação, mais precisamente do 20º lugar. O espanhol de apenas 19 anos Jaime Alguersuari, que hoje ficou em último nas duas sessões, faz sua estréia na F1 nesse domingo. Muito cedo para um alguém que se quer ouviamos falar na pré-temporada como aspirante a vaga de títular em algum time.

Seu passado não é grandioso. Está certo, no ano passado foi o mais jovem campeão da F3 Inglesa, com certeza o 2º dos títulos mais importantes antes de chegar a F1, perdendo apenas para GP2. Título que lhe rendeu a super-licença da FIA, o que diz que ele está apto a dirigir um F1. Porém nesse ano na Telofonica World Series sai da temporada passadas 11 corridas e sem nenhuma vitória nem pole position, numa modesta 8ª posição no campeonato.

No meu ver, esse ano seria de adaptação um degrau acima, numa categoria teóricamente um pouco mais forte que a F3. Porém mesmo práticamente sem experiência nenhuma ele é convocado para a STR substítuir um tetra campeão de Champ Car que não vingou, Sebastien Bourdais.

E tomando por base essa decisão devo acrescentar que o francês além de não ter vingado dentro da pista não era um cara muito bem visto pela equipe fora dela. Não devia ter aquele carisma que normalmente acaba abrindo algumas portas na vida, assim desse modo selando um pouquinho seu futuro na F1. Sebastien era apenas alguém de currículo bom que estava que estava a procura de vaga na F1 e conseguiu. Afinal sendo ainda francês (uma dinastia de pilotos infelizmente em declinio) e ainda com resultados tão bons em circuitos mistos, quem não o contrataria em 2008?

Mas a verdade que se revelou não foi das melhores para ele, somou pouquissimos pontos em 2008 (muitas vezes por azar, é verdade) e em 2009 vinha atrás do novato Buemi no campeonato, e também, é preciso dizer, largando várias vezes atrás do suíço, e quatro vezes marcando o último tempo nos treinos.

Enfim, Alguersuari vai ter muita dificuldade para se adaptar, seu começo já foi muito difícil, nos dois treinos foi o piloto que mais deu voltas e mesmo assim nos dois ficou a 1.9 do 1º colocado e levando tempo de Buemi principalmente na 2ª sessão, cerca de 0.8s.

Se Alguersuari dará certo, ficamos a ver. Tempo ele vai ter, tem apenas 19 anos, o grande revés é estreiar em uma temporada na qual os testes são tão escassos.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Para gostar de Joe Satriani (Volume 8)

Uma que vocês podem conhecer:


Essa é Back To Shalla Bal inclusa no disco Flying in a Blue Dream (pasme, ele ainda tinha cabelo!), assim como a última música aqui postada. Essa será uma música um tanto nostalgica para algumas pessoas, pois fazia parte do jogo F1 95 para playstation1. Era a música do menu inicial, uma bela mostra de Rock N Roll. Trata-se de um belo tema com um pedal de wah muito bem colocado, como de praxe nas músicas de Joe. O uso de alavanca também bem presente e depois um solo (belas ligaduras, que afinal é sua principal virtude na minha opinião) técnico mas sem deixar a melodia de lado.

Mais uma vez constata-se ai o que podemos chamar de carimbão de Joe. Rock sem enrolação e chatura, apenas indo direto ao ponto.

P.S.: Já que o momento nostalgico é oportuno lhes digo que amanhã faz 19 aninhos que eu nasci. Parabéns pra mim, claro, sobreviver a mim e aos outros individuos nesse tempo não foi fácil.

domingo, 12 de julho de 2009

"A 130ª é a boa"


Depois de ontem marcar de forma fantástica a pole numa grande volta, eis que Webber mais uma vez se supera e conquista uma bela vitória, sua 1ª na careira, e em um GP bem movimentado. O australiano foi indiscutívelmente o melhor na pista nesse fim de semana, mesmo depois de ter largado mal e quase ter batido em Barrichello, até agora numa manobra mal explicada trazendo como consequencia um Drive-Through, ele não deixou o brasileiro da Brawn escapar no início, andou rápido antes de sua parada no box e executou com perfeição seu plano de corrida. 1ª vitória em 130 GPs, muito merecida, diga-se.

O segundo foi Vettel que tentou fazer um bonito para a torcida, mas acabou sendo ofuscado pelo bom ritmo de Webber. O que não tira um certo brilho de sua atuação, mas de qualquer forma fez a força do carro valer muito mais que a pilotagem. Importante o resultado já que agora é 2º no campeonato.

E a Brawn? Ao que parece já não vai conseguindo se manter mais como uma das grandes forças. Aquele fôlego ($$$) que chamavamos atenção no começo da temporada ao que parece pode ter chegado a um ponto crítico, o time já não tem toda essa bola para evoluir. Mesmo assim avantagem é grande, mas a Red Bull já começa a assustar. O fato que ambos os carros tiveram rendimento pífio no fim da prova.

Outra coisa: Nããããão. Rubinho não foi sacaneado pela equipe, como aliás, insistiram em dizer hoje tanto na TV quanto no rádio. O que lhe rendeu o 6º lugar foi, além da inversão de posições do último dos 3 pits da Brawn, sua falta de performance atrás de Felipe Massa, Rubinho ali tinha que ter partido para a ultrapassagem.

Excelênte corrida de Massa. Se restava dúvida sobre a capacidade de Felipe ainda ela vai se apagando com notórias atuações nesse ano. Primeiro pódio do ano para Massa que vai ao 5º posto no mundial. Seu companheiro Raikkonen quebrou, palpite meu: câmbio.
Chance concreta tinha Adrian Sutil de fazer hoje os primeiros pontos da Force India. Tinha. Jogou tudo pela janela na saída de seu primeiro pit tentando passar Kimi Raikkonen ,quebrando sua asa diânteira. Pior para Sutil é Kimi ainda viria a abandonar, ou seja, destriu seu fim de semana magnífico absolutamente por nada.

Das equipes do difusor do início do ano a única que ainda está em curva de evolução é a Williams (ou Rosberg, já que Nakajima ainda não sabe o que veio fazer na F1 2009). Rosberg depois de um 15º ontem, chegou hoje na frente das Brawn em 4º lugar. Gradíssima atuação.

Fernando Alonso mesmo rodando fim da volta de apresentação fez boa corrida, incluindo no seu currículo hoje a volta mais rápida da prova, simplesmente 0.6 abaixo de Webber. Nelsinho niguém sabe, ninguém viu. Largou mal depois não se teve mais notícia, naquela pode ter sido sua última corrida na Renault.

Boa corrida, com muitas alternativas e variáveis, mesmo sem chuva. Grande atuação de Webber, Massa e Rosberg. Mas minha dúvida é só uma: Brawn ainda vai ter cacife pra lutar ou, (ao menos) segurar a Red Bull para a segunda metade do mundial? a conferir nas próximas semanas e na Hungria dia 26.
Classficação final:
1º. Mark Webber (AUS/Red Bull), 1h36min43s310
2º. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull), a 9s252
3º. Felipe Massa (BRA/Ferrari), a 15s906
4º. Nico Rosberg (ALE/Williams), a 21s099
5º. Jenson Button (ING/Brawn), a 23s609
6º. Rubens Barrichello (BRA/Brawn), a 24s468
7º. Fernando Alonso (ESP/Renault), a 24s888
8º. Heikki Kovalainen (FIN/McLaren), a 58s692
9º. Timo Glock (ALE/Toyota), a 1min01s457
10º. Nick Heidfeld (ALE/BMW), a 1min01s925
11º. Giancarlo Fisichella (ITA/Force India), a 1min02s327
12º. Kazuki Nakajima (JAP/Williams), a 1min02s876
13º. Nelsinho Piquet (BRA/Renault), a 1min08s328
14º. Robert Kubica (POL/BMW), a 1min09s555
15º. Adrian Sutil (ALE/Force India), a 1min11s941
16º. Sébastien Bourdais (FRA/Toro Rosso), a 1min30s225
17º. Jarno Trulli (ITA/Toyota), a 1min30s970
18º. Lewis Hamilton (ING/McLaren), a 1 volta
Não completaram:
Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari), 34 -
Sébastien Buemi (SUI/Toro Rosso), 18 - Hidráulico

sábado, 11 de julho de 2009

Pois é... a primeira!


Quem acompanha F1 a tempos e não é ligado em estatísticas e não tem uma boa memória pode até que Webber já havia feito alguma Pole Position na carreira, principalmente por sempre ser reconhecido como grande talento em provas de classificação. É só lembrar de seus tempos na Jaguar, quantas vezes, principalmente em 2003 ele largou entre os 8 primeiros.

Mas acredite, pela 1ª vez o australiano, vulgo leão de treino, consegue uma pole na F1, uma belíssima atuação e com o mesmo peso de Vettel que é apenas 4º. E isso em um dos treinos mais fantásticos de que se tem notícia na história da F1. Partes com chuva, partes de pista seca, partes com trilho, principalmente um fim do Q1 e Q2.

Houveram os vencedores da grande loteria que foram as primeiras classificações. Respectivamente podemos citar Nelsinho Piquet, que pela 1ª vez vai lagar na frente de Alonso, Kovalainen, que mesmo com m carro muito inferior ao de Hamilton vai sair a seu lado, em 6º, e Sutil que em uma grande atuação levou pela 1ª vez a Force India a saber o que é disputar um Q3, conquistando também o seu melhor grid na carreira em 7º.

Houveram também os perdedores. O maior deles: Alonso (além de Glock e Williams). Mas foco em Alonso, que com certeza perdeu uma grande chance de se classificar bem, um 12º lugar com um gosto super amargo. Mas assim mesmo, se chover amanhã, sendo como é o circuito de Nurburgring não o descartaria das brigas pelas primeiras posições.

Podemos até citar a Brawn entre os vencedores, pois Vettel, mesmo estando mais pesado, larga só em 4º. E mesmo sendo reconhecidamente Vettel um piloto bom de chuva, os dois carros, e principalmente Rubinho, largando a frente do alemão pode ser um grande trunfo do time de Ross Brawn.

Não vejo a Ferrari tão bem, mas como são Ferrari estão sempre no páreo. Resta saber se teremos boas atuações de Massa e Raikkonen se a corrida acontecer em condições adversas.


A chuva, previsão para amanhã, pode ser fator decisivo para a prova, Hamilton que o diga, já que parece que tem um carro bom (além de ser um ótimo piloto) em condições adversas. Sendo assim as cartas já estão na mesa, resta saber quem além de ter uma boa mão vai saber se manter na pista e ser consistênte o tempo todo na corrida. Enfim ela promete! esperamos que não decepcione!

Classificação:
1°. Mark Webber (AUS/Red Bull), 1min32s230 ( 22 voltas )
2°. Rubens Barrichello (BRA/Brawn), 1min32s357 ( 22 )
3°. Jenson Button (ING/Brawn), 1min32s473 ( 23 )
4°. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull), 1min32s480 ( 20 )
5°. Lewis Hamilton (ING/McLaren), 1min32s616 ( 19 )
6°. Heikki Kovalainen (FIN/McLaren), 1min33s859 ( 21 )
7°. Adrian Sutil (ALE/Force India), 1min34s316 ( 20 )
8°. Felipe Massa (BRA/Ferrari), 1min34s574 ( 22 )
9°. Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari), 1min34s710 ( 23 )
10°. Nelsinho Piquet (BRA/Renault), 1min34s803 ( 24 )
11°. Nick Heidfeld (ALE/BMW), 1min42s310 ( 14 )
12°. Fernando Alonso (ESP/Renault), 1min42s318 ( 15 )
13°. Kazuki Nakajima (JAP/Williams), 1min42s500 ( 17 )
14°. Jarno Trulli (ITA/Toyota), 1min42s771 ( 17 )
15°. Nico Rosberg (ALE/Williams), 1min42s859 ( 14 )
16°. Robert Kubica (POL/BMW), 1min32s190 ( 10 )
17°. Sébastien Buemi (SUI/Toro Rosso), 1min32s251 ( 11 )
18°. Giancarlo Fisichella (ITA/Force India), 1min32s402 ( 11 )
19°. Sébastien Bourdais (FRA/Toro Rosso), 1min33s559 ( 11 )
20°. Timo Glock (ALE/Toyota), 1min32s423 ( 11 )¨$
¨$ Glock apesar de ter sido 19º vai largar em último por supostamente ter atrapalhado Alonso no Q1. Matando cachorro morto...


Pesos:
Jenson Button (ING/Brawn), 644,0 kg
Rubens Barrichello (BRA/Brawn), 647,0
Lewis Hamilton (ING/McLaren), 654,5
Mark Webber (AUS/Red Bull), 661,0
Sebastian Vettel (ALE/Red Bull), 661,0
Heikki Kovalainen (FIN/McLaren), 664,0
Felipe Massa (BRA/Ferrari), 673,5
Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari), 674,0
Nelsinho Piquet (BRA/Renault), 676,0
Adrian Sutil (ALE/Force India), 678,5
Timo Glock (ALE/Toyota), 662,3
Giancarlo Fisichella (ITA/Force India), 662,5
Fernando Alonso (ESP/Renault), 668,2
Robert Kubica (POL/BMW), 673,5
Sébastien Buemi (SUI/Toro Rosso), 674,5
Nick Heidfeld (ALE/BMW), 681,0
Kazuki Nakajima (JAP/Williams), 683,6
Jarno Trulli (ITA/Toyota), 683,7
Sébastien Bourdais (FRA/Toro Rosso), 689,5
Nico Rosberg (ALE/WIlliams), 689,8


Disputa Piloto X Piloto:
McLaren: Hamilton 5X4 Kovalainen
Ferrari: Massa 4X5 Raikkonen
BMW: Kubica 6X3 Heidfeld
Renault: Alonso 8X1 Piquet
Toyota: Trulli 7X2 Glock
Toro Rosso: Bourdais 2X7 Buemi
Red Bull: Webber 2X7 Vettel***(1X8)
Williams: Rosberg 7X2 Nakajima
Force India: Sutil 4X5 Fisichella***(5X4)
Brawn: Button 6X3 Barrichello

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Que tal uma voltinha?


Realmente a Alemanha tem alguns dos circuitos mais legais do mundo, tinha Hockenheim (isso mesmo, tinha, pois destruiram) Avus e tem Nurburgring, tanto a atual quanto a antiga em seu anel norte. Realmente um museu do automobilismo mundial.

Em 2007 Nick Heidfeld deu uma volta promocional no lendário traçado de 20.832 metros do Nordschleife. Veja aí, vale a pena:



Impressionante como tem ondulações a pista, Nick teve que tomar muito cuidado principalmente no início da volta naquelas subidas seguidas de curva, para não decolar o carro. Impressionante também como o pessoal de gráfico do Gran Turismo 4 conseguiu captura-la no jogo com perfeição, quem já foi viciado nesse jogo, como eu, vai reparar que tudo está perfeito.
Só sei de uma coisa, antes de morrer ainda vou dar uma voltinha ai nesse circuito!

Corda bamba


Hoje em Nurburgring muito se falou do bom rendimento da McLaren, sobretudo Hamilton que ficou em 1º lugar. Claro mais uma conversa fiada das sextas feiras da F1, sempre algum intruso entre os ponteiros, leia se principamente as McLarens e para Williams.


Mas o assunto que mais me chamou atenção ouvindo o que se disse nesse dia que pouco importa o que acontece na pista, foi de que 2 pilotos do grid estariam perigando perder seus lugares ainda para esse ano.


Nenhuma novidade aí, os de sempre, Nelsinho Piquet e Sebastien Bourdais, claro. Nelsinho ainda na minha opnião já faz hora extra, já que a força do nome Piquet não lhe deu apenas uma ou duas, deu várias chances de mostrar seu trabalho ao longo desse ano e meio no time francês, e o resultado está aí: 19 pontos em 2008, nenhum em 2009 e com melhor resultado ocasional(!!!) 2º lugar na Alemanha há um ano atrás. Muito pouco.


Pior ainda para ele é que seus deméritos são muito mais relevantes do que seus méritos supracitados. Seu companheiro Alonso lhe aplica uma senhora histórica goleada nos grids de largada, nada menos que 26X0 juntando as duas temporadas de Piquetzito na F1. Sendo que em grande parte dessas classificações Nelsinho foi cortado no Q1 e muitas vezes errando visívelmente.


Enfim, sua falta de performance parece que está já dando os nervos de Flávio Briatore, que já declarou que Nelsinho não tem lugar na equipe para o resto do ano. Pior ainda para Nelsinho é que ele continua disparando contra a equipe fora da pista. O carro todos já sabem que não é bom, talvez o pior da Renault na história, portanto Nelsinho devia parar de falar tanto do carro e da equipe. Na minha opinião, ao invés de falar mal Nelsinho deveria se concentrar mais em sua performance dentro da pista, que nunca foi a esperada. Jogou no lixo na Austrália uma bela oportunidade de pontuar e isso lhe faz muita falta hoje, tanto é que vem para esse final de semana precisando pontuar de todo jeito.


A mesma pressão está também em cima de Bourdais. Mas esse por não ter o mesmo nome não vai ter a mesma dose de paciênca da STR. No campeonato Buemi tem 3 pontos e Bourdais 2, porém os números refletem pouco do que foi a performance do francês na pista, quase que sempre sendo batido por Buemi em classificações e em corridas. Importante dizer que Bourdais ganhou seu lugar na STR nesse ano por ter feito um bom trabalho no fim do ano passado, mas não vem repetindo nesse ano por enquanto suas performances a lá Bélgica e Japão em 2008, quando superou seu companheiro prodígio Vettel consistêntemente.



Portanto os dois perigando, e numa pista de média velocidade, que tem pontos de ultrapassagem e que até pode ter chuva a promessa é de uma das melhores chances do ano para eles mostrarem porque merecem continuar na F1 até o fim desse ano e para o ano que vem também.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Head Ache: As opiniões do asno [4]


Ontem estava eu aqui em casa a fazer nada. Alguém poderá pensar, "Ó você estava querendo sair?" não, ficar em casa era de longe minha opção mais interessante. Mexendo na Internet, mais precisamente no orkut, encontrei um colírio para qualquer F1 maníaco como eu: 2 das corridas que eu sempre quis ver e ainda pela globo, o GP do Canadá e o da Bélgica de 1991.

Assim fiquei os dois últimos dias apenas assistindo a essas provas, e que provas diga-se de passagem!

E é tentando reencontrar esse bom momento em sua história que a F1 promove mudanças radicais agora quase que anualmente. Tudo por um melhor espetáculo e por ressuscitar as já segundo ela, enterradas, ultrapassagens.

Até ai tudo bem, afinal essa temporada de 2009 não está sendo aquela maravilha que nós esperávamos, o poder só trocou de mãos, mas os poderosos continuam muito mais poderosos do que o resto. Que saudade de 2008!!!! A F1 que todos falavam que era sem emoção, sem ultrapassagens. Fato é que no ano passado até aqui já tinhamos tido corridas muito mais emocionantes que hoje.

A proibição do reabastecimento tem lá seus adeptos que acham que isso faria com que os pilotos fossem para cima uns dos outros na pista, porém isso é mais ou menos como o sistema de medalhas proposto pela FIA no início do ano que servia para instigar a competição na pista. Não colou, e não funcionaria.


A F1 já não é mais como em 1991, não temos mais a variável das quebras, nem dos erros seguidos de saídas de pista, já que hoje não há mais brita e nem grama do lado de fora dos circuitos. Hoje também não há como pilotos errarem marchas. Em suma, a F1 chegou a tal nível de perfeição que se não fossem as paradas de pit algumas corridas seriam muito mais monótonas do que eventualmente já são.



Além do que tirar a chance de quem largou por exemplo em 13 ou 14 lugar de chegar aos pontos, já que teoricamente não teriam carros e nem ritmo de corrida para chegar e ultrapassar os pilotos mais a frente, seria ruim esportivamente ao final de uma temporada por exemplo. Assim quem largasse atrás com um carro médio por um problema qualquer em um treino poderia dar o fim de semana como terminado.



Outra medida que me parece completamente sem fundamento é a redução da largura dos pneus dianteiros juntamente a proibição do cobertor térmico. A primeira porque não consigo enxergar como isso pode ajudar a promover o aumento das ultrapassagens, já que seria tirada a aderência dianteira dos carros fazendo com que além da já conhecida pressão aerodinâmica que já se perde quando chega-se perto do carro da frente com carros perdessem mais estabilidade.

E a segunda pois não tem qualquer fundamento. Na verdade a pergunta para isso é, pra quê? Pra fazer quem sair do box de bobo na pista?

Olhando tudo isso é evidente que os dirigentes querem evoluir regredindo. Mas será esse o caminho correto? será que não será um tiro pela culatra? As coisas seguem um ciclo natural de evolução e talvez o caminho pelo qual a FIA deseja não seja esse. E isso tem grandes chances de dar errado.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Para gostar de Joe Satriani (Volume 7)


Essa ai chama-se The Mystical Potato Head Groove Thing, 2º faixo do Flying in a Blue Dream de 1989. Acaba essa por ser uma música que não tem uma melodia tão forte como as outras, as guitarras ocupam a maior parte do tempo fazendo base, o que cá entre nós não é nenhum demérito, muito pelo contrário. A melhor parte é o refrão com belos arpejos e uma técnica que por enquanto desconheço de colocar a mão para abafar as cordas.

É uma música bem interessante vale a pena conferir.

***P.S.: Agora sim, estou de férias e vou conseguir postar mais... é só aguardar.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Para gostar de Joe Satriani (Volume 6)


If I Could Fly 6ª faixa do disco Is There Love in Space? de 2004. Pivô do processo que Joe move contra o Coldplay, essa música de uns tempos pra cá acabou ficando muito bem conhecida pelo "mainstream", embora ainda não existam versões ao vivo dela. A parte que gera a confusão é o refrão, nítidamente a melodia se não é igualzinha é muito parecida com a música Viva La Vida. Isso ainda pode dar o que falar, é um assunto ultra polêmico. Opinião minha, vão acabar chegando em um acordo mais cedo ou mais tarde.

Briguinhas a parte, o som é excelênte, belas frases no violão e bela melodia fazem dessa música uma das melhores na minha opinião do gênero instrumental. Aperte o play e veja que o vocal nessa música não faz a mínima falta.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Adeus criatura(?)

Bom... eu nunca fui e nem nunca serei um fã de música Pop. Acho chato demais, primeiro porque nada se cria tudo se copia, segundo porque não sou uma pessoa que dá importancia a letras e nem vê beleza em coreografias, terceiro pois a maioria dos artistas são empurrados pela mídia guela abaixo e quarto porque eu primo pela técnica dos instrumentistas e dos belos instrumentais na hora de escolher uma trilha sonora, e no caso da música Pop isso poucas vezes existe.

Porém, ainda na minha opinião, nada é uma verdade absoluta e esse é o caso de Michael Jackson. Não, nunca fui fã dele, não tenho discos dele e nem muito menos senti a mínima vontade de vê-lo ao vivo, grande parte também por sua aparência horrenda. Mas Michael era um grande músico, podia parecer que era apenas fruto de puro marketing, mas não, pelo menos em um primeiro momento não era. Era como eu disse, um músico, que como qualquer outro músico assinava suas composições e ao longo do tempo desenvolveu um estilo próprio copiado por todos as demais crias desse gênero, goste você ou não.

É dele o disco que mais vendeu na história, Thriller de 1982 simplesmente 104 milhões de cópias adquiridas ao redor do globo. E isso em 2006, de lá pra cá e de agora pro fim do ano isso certamente vai aumentar. Como já disse muitas vezes aqui, para mim números pouco representam, mas vender mais que todo mundo na história tem seus méritos, não dá pra ser só caça-níqueis tem que ter ao menos alguma qualidade.

Enfim, sua vida pessoal é o que menos importa hoje, o fato é que na minha opinião perdeu-se ontem um dos maiores ícones da música de todos os tempos. Aqui vão dois vídeos de Michael:

Beat It do Thriller, com a participação ilústre de ninguém menos que Eddie Van Halen, o rei das duas mãos no belo solo de guitarra do som.

Give Into Me. Essa mais recente, Jackson já era um ariano, mas com outra grande participação, Slash e seu primoroso feeling.

Está ai pra quem quiser ver. Vale a pena as vezes ampliarmos um pouco mais nossos horizontes músicais e nos livrarmos de etiquetas pelo menos por um momento.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Fim da novelinha


Durou menos de uma semana, pra ser exato 5 dias. A FOTA desistiu de fazer um campeonato a parte da FIA no ano que vem. Mosley já declarou que não vai se reeleger ao fim desse ano, ou seja as equipes coneguiram o que queriam no joguinho de poder.

Realmente Mosley nesse ano não deu muitas "bolas dentro", começando pelo absurdo sistema das medalhas, depois o novo regulamento e agora, ainda por cima, peitar num jogo de bleff 8 das 10 equipes, simplesmente as principais e mais tradicionais forças da F1. Notadamente sua hora já chegou, já fez o que tinha que fazer e será lembrado certamente. Max foi um dirigente importante nas inovações tecnologicas e principalmente na segurança de carros e pilotos.

Principalmente no pós-1994 Mosley instituiu vários avanços no quesito segurança. Citando rapidamente aqui, o encosto de cabeça, os cabos de aço fixadores das rodas e o Hans. E isso além de fatores extra carros, como pistas mais seguras, com os Soft Walls (muros macios), com grandes áreas de escape e a ultilização (abusiva algumas vezes! vale dizer...) de asfalto nelas. Claro, ainda temos o pit mais largo e também o limite de velocidade nos boxes.

Enfim, chegou a hora de renovar, e nomes cobiçados ao cargo são o que não vão faltar. Portanto só lá por outubro ouviremos falar mais da F1 política. Até lá é torcer pelo esporte e por boas corridas, o que afinal não tivemos nas duas últimas oportunidades. Mas pelo menos elas foram melhores que essa novela a lá Rede Globo, que difere de outras no enredo e nos personagens, porém cujo final é sempre ridículamente igualzinho...

domingo, 21 de junho de 2009

Para gostar de Joe Satriani (Volume 5)


Satch Boogie, 5ª faixa do Surfing with The Alien que espero em breve apresenta-lo em forma de resenha a vocês pois trata-se de um dos 50 melhores, ou mais interessantes, discos de Rock N' Roll. Aí acima o negócio é fritar mesmo, muito embora tenhamos harmônia e melodia, o intuito da música é mostrar a grande técnica de Joe. Música divertida e interessante, ao mesmo tempo uma das melhores do gênero. Melhor parte disparada, o tapping bem no meu da música (sem contar os harmônicos, claro).

Aproveite!

Destruídor...


... Soberano, matador e impecável. Esses são os primeiros adjetivos que vêm a minha cabeça ao pensar no GP da Inglaterra do alemão Sebastian Vettel. Grande vitória, 2ª no ano, 3ª na carreira. Construiu sua vitória principalmente no 1º stint quando virava cerca de 1.0 a 1.5 seg mais rápido que o 2º, Barrichello, e que o resto. A Red Bull chegou, pelo menos em Silverstone mostrou um desempenho muito melhor que o da Brawn, que estava irreconhecivel. "Hat-trick" do jovem alemão, fim de semana bom para aumentar sua moral que vinha baixa depois principalmente das duas últimas corridas.

Resta saber se foi circunstâncial o rendimento do RB5 em Silverstone, ou se a Red Bull concebeu nos últimos meses um foguete. Acho eu que um pouco dos 2, o domínio foi circinstâncial, mas melhor esperar. De qualquer forma acho eu que o RB5 vai ter um bom rendimento em pistas de alta velocidade (Spa, Monza) como Silverstone.

Pra completar o dia perfeito da Red Bull Webber foi o 2º. Quem sabe se tivesse passado Barrichello na largada pudesse ter dado até um calor em Vettel, já que na segunda parada do alemão o australiano chegou até a passá-lo.

Barrichello foi 3º, fez o seu. Não dava pra chegar nas Red Bulls, sendo assim poupou-se e ficou com o 3º lugar. Era inevitável a passagem de Webber após o 1º pit, enfim não se pode falar mal de Barrichello, hoje não.

Button fez uma corrida apática. Jamais esteve em posição de atacar alguém por um lugar, ganhou o que ganhou de posições no fim da prova devido a estratégia de equipe que prolongou seu 2º stint, não fosse isso estaria brigando para se manter na zona de pontos com Raikkonen, Glock e Fisichella. Não sei até que ponto isso pode ser pressão psicológica, mas fato é que ele ontem e hoje reclamou de falta de aderência diânteira, e pensando agora um dos fatores que pode ter feito com que ele não tenha conseguido passar ninguém foi a falta de pressão aerodinâmica oferecida quando chega-se perto de um carro para atacar. Enfim, uma tese, mas não explica a verdade inteira que é: Button não foi bem.

Agora, corridaça de Felipe Massa. Depois de ter largado de 11º finalizou em um belíssimo 4º lugar e agora é 6º no mundial. De fato Felipe tem feito muito mais do que se espera de um carro da Ferrari, está de parabéns. Mas sejamos francos, não ter ido para o Q3 foi até bom para sua estratégia de corrida, fez seu 1º pit stop bem depois dos que iam a sua frente, e isso foi de grande proveito a Felipe, ganhou varias posições. Kimi pontuou também, 8º lugar para o homem de gelo, leva a crer que é só não errar que a Ferrari tem lugar entre os 8 primeiros.

Boa corrida também da Williams, sobretudo Rosberg que foi 5º, e vai somando seus pontinhos. Nakajima chegou a ser 4º depois de passar Trulli na largada, mas estranhamente perdeu todas as posições em sua 1º parada de box, e ao final foi 11º. O fato é que com essa colocação na zona de pontos a Williams (ou melhor Rosberg) passa a McLaren no campeonato de construtores e agora é 5ª.

Toyota ficou realmente sem fôlego. Já não é mais aquela equipe que ameaçava a ganhar a 1º corrida de sua história do início do ano. Agora tem desempenho bem mais modesto, Trulli 7º e Glock 9º, conclusão: voltou a ser Toyota de anos passados.

Boa corrida de Nelsinho em 12º. Dessa vez foi a largada que atrapalhou o brasileiro, caiu muito após a primeira volta. Não fosse tinha estratégia para chegar aos pontos. Alonso foi prejudicado pelo pouco rendimento de Heidfeld na primeira parte da prova e foi apenas 14º.

McLaren... bom é só ver o resultado da prova...

Boa atuação de Fisichella 10º. Não muda nada efetivamente, mas a Force India vai evoluindo aos poucos e não é de agora, desde o início do ano eles já vem crescendo. Fato é que já não são mais os últimos.

Corrida chata, essa foi a verdade. O momento mais emocionante foi a batida de Bourdais em Kovalainen, que acabou inclusive resultando nos 2 únicos "abandonos" da prova. Mas claro, pra que acabar uma prova em último e penúltimo com um perfeito álibe de um acidente para recolher o carro na garagem e ir beber água no motorhome? Fato é que alguém ficou com um belo souvenir do carro do nerd francês.

Dia 10 do mês que vem Alemanha, em Nurburgring. Lá veremos se a Red Bull é casamento de pista-carro-piloto, se Brawn ficou na história e se Button se acovardou ou foi apenas um fim de semana infeliz.

Resultado depois de 60 voltas:
1º. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull), 60 voltas, 1h22min49s328
2º. Mark Webber (AUS/Red Bull), a 15s188
3º. Rubens Barrichello (BRA/Brawn), a 41s175
4º. Felipe Massa (BRA/Ferrari), a 45s043
5º. Nico Rosberg (ALE/Williams), a 45s915
6º. Jenson Button (ING/Brawn), a 46s285
7º. Jarno Trulli (ITA/Toyota), a 1min08s307
8º. Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari), a 1min09s622
9º. Timo Glock (ALE/Toyota), a 1min09s823
10º. Giancarlo Fisichella (ITA/Force India), a 1min11s522
11º. Kazuki Nakajima (JAP/Williams), a 1min14s023
12º. Nelsinho Piquet (BRA/Renault), a 1 volta
13º. Robert Kubica (POL/BMW), a 1 volta
14º. Fernando Alonso (ESP/Renault), a 1 volta
15º. Nick Heidfeld (ALE/BMW), a 1 volta
16º. Lewis Hamilton (ING/McLaren), a 1 volta
17º. Adrian Sutil (ALE/Force India), a 1 volta
18º. Sébastien Buemi (SUI/Toro Rosso), a 1 volta
Não completaram:
Sébastien Bourdais (FRA/Toro Rosso), 25 voltas
Heikki Kovalainen (FIN/McLaren), 24 voltas