domingo, 8 de maio de 2011

Ponto azul no horizonte


Como eu dizia, se Vettel largasse na frente não teria pra ninguém. Foi assim. Quase ponta a ponta, se Button não tivesse liderado uma mísera voltinha, a 12. É quase impossível entender como Vettel sobra tanto. Seu ritmo é assustador, assombroso. E a impressão é de que não está dando seu máximo. Não dá pra ver, ou prever, Vettel perdendo uma corrida. Está em outro patamar e muito longe dos outros. Se alguém não fizer alguma coisa muito rápido já para Barcelona corremos o risco de ver um campeonato decidido em Agosto ou Setembro. Broxante.

E o pior é que Webber não consegue seguir o bom desempenho do alemão. Mark largou mal e se enroscou com outros carros a corrida toda. Rosberg no começo, Alonso no fim. Em outras palavras, Webber é alcançável embora tenha um canhão e Vettel um ponto azul escuro no horizonte. Mérito de Sebastian, claro. Conseguiu entender e se adaptar ao carro muito melhor que Webber.

Alonso, em terceiro, ganha aí uma bela dose de moral. Fez uma classificação acima da média e uma corrida perfeita para o ritmo atual da Ferrari. Chegou a passar Webber na pista, veja só. Verdade que foi re-ultrapassado, mas o espanhol conseguiu ao menos ir pra cima de uma Red Bull, façanha digna de nota, claro. Massa se deu mal. Entre paradas ruins, erros e azares sobrou pra ele a posição do bobo, 11º. Injusto na minha opinião. Não condiz com o que foi sua corrida no primeiro e segundos stins, quando chegou inclusive a passar Hamilton. Massa vinha de duas atuações boas, agora vai ter que continuar na missão quase impossível de correr atrás de Fernando Alonso, que está cheio de moral.

A Mercedes. Ninguém sabe... alguém viu? Rosberg teve seu brilhinho na largada, depois foi devidamente jantado pela rapaziada da frente. Chegou em quinto mas jamais teve um ritmo convincente. Pelo jeito todas as melhoras e festas ficaram nas tomadas de tempo mesmo. Schumacher fez aquela corrida apagada costumeira, se defendendo e tocando roda com os outros carros, nem sempre de forma leal. Já deu Schummy, abre espaço pra garotada, né.

Uma boa corrida das Renault, Buemi e Kobayashi. Sebastien fez a estratégia de uma parada a menos funcionar muito bem, embora tenha perdido o sétimo lugar para as Renault no finzinho. De qualquer forma o nono lugar foi um ótimo lucro pra alguém que saiu de 16º. Kobayashi largou de último e beliscou um pontinho, em 10º. Outra grande apresentação de Kamui que terminou todas as corridas desse ano na zona de pontos.

E que alguém faça alguma coisa para pegar Vettel, é meu o pedido. Não, não é a Red Bull. É Vettel. Inalcançável. Intocável. Pelo bem do esporte e pelo bem das corridas, é bom que aconteça rápido.

3 comentários:

Pedro disse...

Gostaria de ouvir seu comentário sobre o acidente do Schumi com o Petrov. Acho que foi uma cagada germânica ali. Além disso, qual a relação entre as vezes em que o Schumacher passou e foi ultrapassado desde o ano passado? Hoje sempre que mostrava ele, tava lá o Michael tomando. Eu hem...

Marcos Antônio disse...

é,mas parece ser difícil que isso aocnteça,hein? pra mim Vettel tem tudo pra ser campeão rapidamente...

Ron Groo disse...

Eu não vou mentir, fiquei estressado com a falta de lógica da prova:
Ganha quem para mais, ultrapassa não quem tem melhor carro, mas quem pode usar a asa no momento correto.

Tinhamos uma pista com uma das melhores curvas do mundo: a 8, mas sobre o que recaiam as expectativas? uma reta com carros de asas abertas... Uma hora vai cansar.

Mas pelo menos tem coisas que regulamentos esdrúxulos e picuinhas artificiais não conseguem empanar: talento e eficiência. E isto Vettel e a Red Bull tem de sobra.
Irritantemente de sobra...

Viva Vettel