sexta-feira, 3 de junho de 2011

Sheik


E o dinheiro vai ampliando seus domínios sobre o planeta terra. Tudo bem, não se vive sem ele, mas o apetite insaciável que tem Bernie Ecclestone por esses papeis verdinhos é algo a ser estudado, de fato.

Achei elogiável e, ao mesmo tempo, estranha a atitude de FOM e FIA ao adiar uma abertura de campeonato que gira tantos milhões de dólares. Vi positivamente, afinal de contas, a F1, que sempre teve orgulho em se manter alheia a todo e qualquer acontecimento global de grandes proporções (apartheid, copas do mundo...) durante sua existência, tinha finalmente se flexibilizado – forçadamente, é verdade – a uma causa que julgava ser maior do que ela. Uma guerra em eclosão.

Pelo jeito enganamo-nos. O povo do Bahrein continua a ser miserável e comandado por um ditador. Em pleno século XXI, num mundo globalizado, o povo barenita vive sob uma monarquia absolutista.Vive num lugar onde a renda é mal distribuída e vive também o “manjado” (sem intenção de minimizar com a palavra) conflito entre xiitas e sunitas, que inclusive deu o tom das questões militares do início do ano. E a F1, alheia a isso, vai voltar pra lá.

Não quero entrar nos meandros políticos, detesto política, aliás. Mas é impossível ficar de olhos fechados a este tipo de coisa. Segundo notícias veiculadas hoje, a prova do Bahrein dá à F1 um retorno de 40 milhões de dólares. O prazo original estipulado pela FIA para que fosse resolvida a questão militar no país encerrou-se no dia 1º do mês passado. Algo a fez voltar atrás... nem suspeito do que foi.

Será assim: Veremos dia 30 de Outubro um GP do Bahrein com arquibancadas cheias de “VIAIPIS” de todo mundo, pagando caro nas mordomias de um evento esportivo que ficará (se é que já não é desde 2004) descaracterizado, dado panorama. Mas, mais dinheiro entrará nos cofres dos cartolas, que é o que parece ser a prioridade no momento.

Convenhamos também que, esportivamente, o tilkódromo de Sakhir, em 7 GPs, não produziu nada de relevante à história da F1. Outro atenuante.

Sheiks. Eles têm a grana, e ditam um esporte cujos dirigentes parecem pertencer a seu harém. Tudo em nome de inflar as contas bancárias. É preciso rever essas prioridades...

Quanto a nós. Seremos comprados por isso?


3 comentários:

Marcos Antônio disse...

é o dinheiro que manda e vai pr apouquissimas mãos. quem faz o espetaculo só se ferra nessa e tem que correr até em dezembro!

OBS: eu tenho esse cd!
"Meu tu não sabe o que aconteceu, os caras do Charlie Brown invadiram a cidade, chame sua vó, seu cachorro, sua sogra, pega todo mundo! o côro vai comer!"

rsrsrsrsrs

Anônimo disse...

Gostei Kingão!! show de bola como sempre!

Pavaum.

Anônimo disse...

uhuahahuauhauh e não é só na f1 que isso acontece... vide o man city, time que surgiu do nada em função desses "sheiks" do caralho... na verdade hj em dia qm tem dinheiro controla oq quiser né... bom texto abs!

yoshi