segunda-feira, 11 de abril de 2011

Sem sombras...


... Rivais ou algozes. Vai virando rotina o domínio avassalador de outro piloto na F1, outro alemão. Sebastian Vettel, que fez uma corrida à parte do resto. Enquanto todos davam o sangue por posições em disputas acirradíssimas do segundo lugar em diante, a corrida de Vettel se pautou a ultrapassar retardatários. Fez apenas uma única ultrapassagem valendo posição, em cima de Massa logo antes da segunda parada do brasileiro, quando Sebastian já tinha a feito e voava. Soberania incrível, que ainda está no estágio de profecia, mas que em um piscar de olhos pode virar realidade e termos um campeonato amplamente dominado por mais (ou seria menos?) que um carro, um piloto. Ai, ai...

A corrida foi interessante. Várias disputas e combatividade fizeram do GP da Malásia, bem emocionante. Algo que se pode debitar da conta dos pneus mais moles produzidos pela Pirelli. Fato é que para o show, várias paradas rápidas nos boxes, com diferenças de desgaste nos pneus dos carros, movimenta bastante a corrida. Falem mal, falem bem, é a verdade. A DRS me deu a impressão de ser meio inútil se seu uso não for acompanhado do KERS. Acaba não resolvendo muito o problema das ultrapassagens, leia-se as dificuldades que Mark Webber enfrentou ao tentar ultrapassar nas retas não podendo usar o KERS.

Boa corrida de Button e McLaren. Embora Hamilton estivesse mais rápido, Jenson fez uma atuação sólida e constante, poupando bem seus pneus. Lewis chegaria ao pódio não fosse seus problemas no fim da prova com os pneus e a batida com Alonso. Recebi a notícia de sua punição ao fim da prova pensando em injustiça, mas agora, pensando bem, fazer desde pequenos a grandes “slalons”, é terminantemente proibido em qualquer categoria do automobilismo. E Hamilton fez isso, e não foi uma vez só.

A Ferrari teve bom ritmo de prova. Massa talvez tenha feito sua apresentação mais convincente depois da “molada” de 2009. Andou o fim de semana inteiro, exceto Q3, no mesmo ritmo de Fernando Alonso. Felipe chegaria ao pódio não fosse atrapalhado pela Ferrari no box. Alonso foi na balada de Felipe depois de ultrapassado pelo brasileiro na largada. Porém se animou demais atrás de Hamilton, cometeu um erro imperdoável e teve uma punição justa. Pisaram na bola, perderam o pódio.

Nos destaques positivos, Heidfeld com um pódio que espanta de vez as dúvidas sobre sua performance. Kobayashi fazendo o que sabe fazer de melhor, encher nossos olhos com seu arrojo (dessa vez levando os pontos pra casa) e Paul Di Resta que pontuou pela segunda (na verdade primeira) vez em duas provas. Bom início do escocês.

Nos negativos Webber lerdo como na Austrália, ficando anos luz da performance de Vettel, Mercedes que mais uma vez parece que veio fazer fogo em palha e Petrov com seus erros e seu aério no melhor estilo WRC.

Já não é mais tão difícil fazer prognósticos. Tende a ser um ano com muitas disputas dentro da pista, pilotos indo ao limite durante mais tempo e muitas trocas de pneus. Algo que abrirá espaço para mais erros. Mas dentro do que já se viu, parece que Vettel ficará alheio a isso tudo... pelo menos até que alguém chegue no ritmo de seu Red Bull número 1, e desperte seu ego "crash kid".

2 comentários:

Ron Groo disse...

Pois é... Sem sombra e sem adversários.

Cadê a Mclata?

Marcos Antônio disse...

é, to sentido que teremos uma outra hegemonia alemã por aí. pelo menos esse aí é legal!rs