domingo, 9 de novembro de 2008

Appetite for Destruction (Guns N' Roses)

Um Hard Rock sem compromisso que vai direto ao assunto, e sem mais delongas esse CD lançado em 1987 tem em si guardado uma das melhores bandas em seu aclamado primeiro álbum de estúdio.
Depois de muitos problemas numa primeira turnê mal sucedida, a banda encontrava-se em maus lençóis e precisando emplacar um bom disco para continuar sonhando com a fama. Diante desse ambiente de cobrança eis que sai no dia 27 de Julho de 1987 um disco chamado Appetite for Destruction. A capa, controversa por sua vez, teve de ser trocada pouco tempo após o lançamento pela arte apresentada conter uma mulher sendo estúprada por um robô prestes a ser aniquilado por uma "máquina vingadora". Essa capa continua sendo veiculada aqui no Brasil e em outros paises porém nos EUA, França, Inglaterra e outros paises no lugar desta capa fora obrigada a ser veiculada outra, com um crucífixo com a cara dos membros da banda, que por sinal virou depois tatuagem no braço direito de Axl Rose.

Segunda arte do disco

No detalhe a tatuagem de Axl
O disco começa com o primeiro hit da banda, Welcome to the Jungle, uma música que mais do que dizer "bem-vinda a selva" a uma garota, digamos, inocênte diz também que o Guns N' Roses veio para ficar. Numa época em que quase todos os guitarristas só se preocupavam em fazer solos supersônicos, um cabeludo com uma Les Paul abaixo da cintura chamado Slash, remou contra a maré e fez prevalecer a musicalidade, o que mostra essa e a faixa 2.
Apesar de hit, It's So Easy não bombou como a faixa antecessora. O que falando na minha opinião é uma grande injustiça, já que o cidadão(?) que vos escreve começou a gostar de Guns N' Roses ouvindo-a. Com uma letra de mesma idéia da faixa 1, esse som mostra do que era capaz a voz de Axl Rose. Depois de esguelar a voz em Welcome to the Jungle ele opta por mostrar que além de soprano é tenor, num belo dueto com o baixista Duff McKagan e o guitarrista base Izzy Stradlin.
Depois disso temos a faixa 3, Nightrain, música qual a banda até hoje inicia suas apresentações. Apresentando o único solo de Izzy Stradlin no disco, ela deixa bem claro o estilo do Guns N' Roses.
Após temos Out Ta Get Me, mais um exemplo de "Hard Gunner" com Axl esguelando mais uma vez sua voz distorcida intencionalmente, gênial. O riff dessa música denuncia muitas das influncias da banda, como Aerosmith, Rolling Stones e AC/DC, porém acrescido o tempero pecúliar do Guns N' Roses.
Depois vem outra das minha favoritas do disco, Mr. Brownstone, ou sr. pedramarrom. Letra caracterizada pela chapação dos membros da banda no início da carreira. Músicalmente essa música é um dos pontos fortes do disco, a introdução feita por um Wah-Wah na guitarra acompanhada de um ritmo contagiante de Steven Adler na bateria e das palhetadas de Duff no baixo explode num dos riffs e dos solos de guitarra mais legais do disco.
Paradise City é outro grande clássico desse disco. Música a qual que até hoje encerra os shows da banda e revela o sonho de todos que como Axl Rose deixaram o interior e foram para a cidade, voltar a cidade natal. Clássico da melhor qualidade.
A faixa 7 chama-se My Michelle, o segundo melhor lado B do disco na minha opinião apesar do refrão pegajoso. O melhor lado B do disco para mim é a música 8, Think About You, que apesar de não ter sido tão trabalhada como poderia na minha opinião, tem um dos riffs mais legais e um refrão bem legal com um violão de fundo.
Sweet Child O' Mine dispensa comentários. Com certeza a música mais famosa da carreira do Guns N' Roses, cujo riff é certamente o mais famoso entre os aprendizes de guitarra. Um riff imortalizado descoberto por acidente depois de uma brincadeira feita por Slash, Duff e Izzy em um quarto de hotel e ouvida por Axl Rose, que viu que dali sairia um grande sucesso. O resto é uma história, muito bem contada por sinal na música de 5:56min.
Depois temos na minha opinião a menos inspirada do disco, You're Crazy. Ao ouvi-la desde a primeira vez tive a impressão de não ter sido uma composição espontânea, mesmo assim o som foi regravado em versão acústica no disco Lies lançado dois anos mais tarde.
Anything Goes, faixa 11 também apresenta grande vesatilidade musical. O uso do Talk Box por Slash no solo da música é o ponto alto.
O disco acaba bem com Rocket Queen, uma música que tem dois temas distintos e ambos belos. A curiosidade da música fica por conta dos sons de orgamo durante o primeiro solo de guitarra, reza a lenda de que seria o "som ambiente" de uma traição feita pela a namorada de Steven Adler com ninguém menos que Axl Rose.
Enfim, um disco excelênte, as estatísticas dizem que até hoje foram vendidos ao redor do mundo 38 milhões de cópias desse disco e ele é o quarto mais vendido da história no território norte-americano. Esses números na verdade não dizem nada, Spice Girls também devem ter vendido isso tudo e cá entre nós não há comparação plausível entre Guns e as... as... quem?. Porém os números fazem justiça a um bom trabalho que tem como resultado um verdadeiro clássico que se você gosta de Rock N' Roll é indispensável a sua coleção
Set List:
1. Welcome to the Jungle
2. It's So Easy
3. Nightrain
4. Out Ta Get Me
5. Mr. Brownstone
6. Paradise City
7. My Michelle
8. Think About You
9. Sweet Child O' Mine
10. You're Crazy
11. Anything Goes
12. Rocket Queen

2 comentários:

Marcos Antônio Filho disse...

Esse Cd do Guns é D++++!!!!
cara que resenha!você mandou muito bem,guns nessa formação é incrível,essa de agora não é nem sombra de hoje...Mas bem que eles podiam se reunir novamente...quem sabe um dia,né?

Marta disse...

Muito bom o seu texto! *.*
Grande disco, grandes guns :D
Parabéns!