sábado, 4 de outubro de 2008

Perfil - Gerhard Berger (Parte 1)


Dados pessoais e da carreira:
Data de Nascimento: 27/08/59
Nacionalidade: Austríaco
Primeiro GP: Austria 1984
Último GP: Europa 1997
Melhor Grid: 1 lugar(x12)
Melhor Resultado: 1 lugar(x10)
GPs: 210
Pontos: 385
Títulos: 0
Equipes que passou: ATS/Arrows/Benetton/Ferrari/McLaren
Gerhard começou no kart austríaco e impressinou, em pouco tempo chegou a F-Ford européia, depois foi para a F-3 se destacando como um piloto muito rápido ganhando assim varias provas.
Em 1984 suas gradiosas performances na F-3 lhe rendem um lugar na F1 apartir do GP da Austria 12 etapa do ano na pequena equipe ATS, sendo assim o segundo carro do time ao lado de Manfred Wilkenhock. A exeção do GP da Holanda Berger corre todas as coridas até o fim da temporada. Gerhard já se mostra um bom piloto no GP da Itália quando larga em 20 e chega em 6, porém não soma o ponto, pois o regulamento não permitia que carros inscritos durante o mundial pontuassem. assim acaba o ano zerado, mas é classificado em 22 no geral.

Berger começa sua carreira no GP da Austría de 1984 pilotando a ATS em seu último ano
Já para 1985 ele assina com a Arrows-BMW. Não tem um bom ano, seu companheiro Boutsen é constântemente mais rápido que ele tanto em corridas quanto em classificações. Berger tem como melhor resultado no ano um 5 lugar no GP da Africa do Sul, 15 etapa do campeonato, a primeira ocasião que o austríaco pontuou na F1. Enquanto Boutsen chegou a seus primeiros pontos na 3 etapa do campeonato, o GP de San Marino com um 2 lugar, beneficiado pela desclassificação de Prost. Corrida por sinal que Boutsen cruzou a linha de chegada empurrando o carro que estava sem combustível. Berger acaba o ano com 3 pontos na 20 posição.

Berger chega em 6 no primeiro GP de Adelaide
Em 1986 Berger se transfere para a recém formada equipe Benetton de motores BMW. O carro se mostra bom, Berger tem um grande ano pontuando nas 3 primeiras provas e conseguindo seu primeiro pódio no GP de San Marino com um ótimo 3 lugar. A Benetton cresce rápidamente o que é visto na Bélgica, 5 etapa, quando Gerhard larga em 2, superando carros e motores famosos como como a Williams-Honda de Mansell, a McLaren-Porsche de Prost e a Lotus-Renault de Ayrton Senna. No GP da Austria o time tem sua melhor performance em qualificações do ano, com Teo Fabi conseguindo sua primeira e única Pole Position da carreira e Berger largando a seu lado na primeira fila. Na corrida Berger pula na frente na largada, porém Fabi não lhe da sussego durante a prova, até que na volta 17 Fabi consegue ultrapassar, porém o seu motor BMW quebra instantâneamente após a ultrapassagem. A corrida que parecia de Berger se perde em um pit que o faz perder duas voltas por um problema mecânico. Porém o futuro era grandioso para Gerhard na temporada assim no GP do México, 15 etapa do ano ele consegue sua primeira vitória na F1 brilhantemente, ele largava em 4 e enquanto todos os concorrêntes brigavam gastando assim seus pneus, Berger ficava na dele, assim enquanto todos paravam até 2 vezes no pit, o austríaco sequer parou uma, conquistando tal façanha. Gerhard acaba o ano em 7 lugar com 17 pontos.

Berger dá a Benetton sua primeira vitória logo no ano de estréia
As performances fortes em 1986 lhe remdem um lugar na Ferrari em 1987 no lugar de Stefan Johansson. A temporada é dificil, o carro é pouco confiavel deixando Gerhard varias vezes na mão como nos GPs da Hungria, Austria, Espanha e México. Porém o time faz bom trabalho para o fim do ano assim sendo Gerhard vence inêsperamente as duas últimas provas da temporada no Japão e na Austrália. Acaba o ano em 5 com 36 pontos.

Gerhard vence o primeiro GP em Suzuka em 1987
Em 1988 Berger continua na Ferrari. Os problemas de confiabilidade são drasticamente reduzidos para a temporada, porém a Ferrari e todas as outras equipes são vitimas nessa temporada do grande rendimento do MP4/4 da McLaren, talvez o melhor carro já projetado até hoje. Assim só seria possivel vencer em caso de quebra dupla o que ocorre no GP da Itália quando Prost estora seu motor e Senna bate a 2 voltas do fim com o retardatário Jean-Louis Schlesser e abandona a prova. Desse modo deixam de bandeja o primeiro e o segundo lugar para a dona casa, a Ferrari, com Berger em 1 e Alboreto em 2. A vantagem da McLaren era tamanha que no GP da Austrália Berger sabia que não tinha muito o que fazer largando de 4, o jeito de mostrar serviço era afinar o motor e usar seu máximo nas primeiras das 82 voltas da corrida, assim sendo ele largava de 4. Passa Mansell na lagada passa Senna na 2 Volta e Prost na 17, porém ele já sentia o som do motor a engrossar nas costas, assim quando viu a Ligier de René Arnoux a sua frente Gerhard numa atitude suicida bate de propósito na traseira do francês no "hairpin" de Adelaide. Gerhard acaba o ano em 3 no campeonato com 41 pontos e carregando o "diploma" de ser o único a ter batido a hegemonia da McLaren que a exeção de Monza ganhou todas as corridas da temporada.

Berger comanda a festa ferrarista em Monza
Em 1989 Gerhard tem um ano complicado, ele começa mal abandonando no Brasil e tendo seu pior aidente da carreira em Imola na tão conhecida curva Tamburello. Acidente que quase mata Berger pelas chamas que possuiram o carro logo após a batida. Gerhard é retirado do carro desacordado com queimaduras e com as mãos machucadas. O acidente o tira do GP de Mônaco no qual Berger chega para assistir a prova com as mãos enfaixadas. Berger volta no GP do México, porém a temporada continua sendo ruim. Gerhard só pontua em 3 das 16 corridas, somando seus primeiros pontos no GP da Itália 12 etapa do mundial com um 2 lugar. Berger ainda vence o GP de Portugal, seguido de outro 2 lugar na Espanha numa tentativa de reação. GP de Portugal que ficou marcado por Berger tirar o capacete após a bandeirada com o carro ainda em movimento. Berger encerra a temporada em 7 no campeonato com 21 pontos.

Gerhard vive seu pior momento na F1 durante o GP de San Marino


Vem ai a parte 2!

Um comentário:

Reginaldo Silva disse...

Belo Post
Berger o rubinh o na epoca de senna
muito bom